Pesquisa ativista continuada que investiga e comunica estético-políticas transviadas – sexo e gênero dissidentes – e seus relacionamentos poligâmicos com ações ativistas e acadêmicas como conformação de uma rede de resistência a apagamentos e regimes de visibilidade no Brasil. Uma investigação ativista participante, que, através da promoção de estudos e vivências de campo ( mostras, encontros, residências artísticas, leilões de arte) provoca pensar práticas de arquivo e memória transviadas (queer, kuir, cuir) coletivas como uma questão de design político. 

Transviado: aquele que se transviou; quem se afastou dos bons costumes.
Desencaminhado; que se perdeu do caminho; que se transviou; que está perdido. Que se opõe aos padrões comportamentais preestabelecidos ou vigentes. 

Esta pesquisa é coordenada pelo pesquisador Guilherme Altmayer. O presente trabalho foi em parte realizado com apoio do CNPq, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Brasil

Agradecimentos e colaboração: